Anuário reforça protagonismo dos catadores no mercado da reciclagem

Home NotíciasAnuário reforça protagonismo dos catadores no mercado da reciclagem

Anuário reforça protagonismo dos catadores no mercado da reciclagem

No Comments

Publicação foi lançada nesta terça-feira em evento que reuniu catadores, membros da indústria, de ONGs e do poder público.

O papel indispensável dos catadores de materiais recicláveis para lidar com o desafio dos resíduos sólidos no Brasil foi um dos temas centrais do evento de lançamento da primeira edição do Anuário da Reciclagem 2017-2018. A publicação, produzida pela Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (ANCAT) e Pragma Soluções Sustentáveis, em parceria com a LCA Consultores, reúne dados que traduzem o impacto positivo do trabalho realizado pelos catadores na economia brasileira e no meio ambiente.

O lançamento ocorreu no último dia 3 de setembro, em São Paulo, e teve duas mesas de debates sobre o setor da reciclagem. Representantes dos catadores dividiram o palco com membros da indústria, de Organizações Não Governamentais e do poder público. “Esse anuário é um marco para os catadores; um instrumento fundamental para os governos e a inciativa privada terem acesso a informações consistentes sobre a nossa categoria”, avaliou Roberto Rocha, presidente da ANCAT.

Para Dione Manetti, diretor executivo da Pragma, havia uma lacuna na organização dessas informações sob a ótica dos catadores. “O Anuário dá um passo importante, pois pela primeira vez consegue-se, de forma técnica e consistente, e com linguagem de fácil absorção para o público, apresentar um trabalho que nos inspira a planejar e entender como a categoria dos catadores pode contribuir para a ampliação da reciclagem no Brasil”, ressaltou.

Representante da secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, José Valverde anunciou a tramitaçãode um protocolo de intenções entre a secretaria e a ANCAT para avanços na gestão dos resíduos sólidos. “O governo estadual vai estabelecer seis eixos de atuação, e esse Anuário vai servir como ferramenta, um importante instrumento para revisar seu plano”, disse.

O presidente do Compromisso Empresarial pela Reciclagem (Cempre), Victor Bicca, que também é diretor de Relações Institucionais da Coca-Cola Brasil, destacou a necessidade de compromisso por parte da indústria. “Se não tivermos um esforço conjunto, não iremos chegar lá. Não acredito queteremos um modelo único que vai resolver a questão dos resíduos sólidos no Brasil. Por isso o papel fundamental dos catadores”, enfatizou. Filipe Barolo, gerente de Sustentabilidade Socioambiental da AMBEV, também frisou o valor da união da indústria em prol do avanço da reciclagem no País. “Acreditamos que só construímos uma solução de forma colaborativa. Para isso, pensamos: nada melhor do que chamar a Coca-Cola, nossa grande concorrente, mas que também faz muita coisa boa para a reciclagem”, afirmou.

Anna Romanelli, da Iniciativa Regional pela Reciclagem Inclusiva (IRR), considerou olançamento do Anuário um marco essencial para tomadas de decisões estratégicas. “É o catador gerando informações. Acho que o Brasil vai inspirar outros países para organizar seus dados”, disse. Visão semelhante tem José Eduardo Ismael Lutti, procurador de Justiça do Ministério Público de São Paulo, que observa o Anuário da Reciclagem como uma forma de fortalecer a credibilidade, não só dos catadores, mas de todo o setor. “Vejo que é um grande passo e acho que vamos deixar para as gerações futuras um caminho bastante adequado de como fazer o gerenciamento. Acho que o Brasil vai encontrar o caminho certo”, avaliou Lutti, que também é vice-presidente da Associação Brasileira dos Membros do Ministério Público do Meio Ambiente (Abrampa).

Além dos impactos positivos para o trabalho dos catadores, o Anuário da Reciclagem possui papel relevante no debate sobre o meio ambiente. Foi o que indicou Carlos Silva Filho, diretor-presidente da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe), ao comentar os nove anos de criação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. “Creio que tudo que poderia ser testado ou experimentado, nós já tivemos a chance de fazer. Hoje nós não temos mais tempo a perder na questão do tratamento adequado dos resíduos sólidos no Brasil. Nós precisamos acertar”, frisou.

A versão digital da primeira edição do Anuário da Reciclagem 2017-2018 está disponível nas páginas da ANCAT e da Pragma Soluções Ambientais.

Deixe uma resposta